Google+ Followers

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

“A PIANISTA DOS LOBOS”





(…) Se um pensamento recordado ficar sem conclusão, por adversidades ou mudança das condições não reflectidas na altura, o andamento da natureza não pára, nem sequer faz intervalos para descansar ou hibernam como alguns animais. Os outros seres a que chamamos inanimados, também têm sustento que, geralmente escapam à pressa do nosso viver; quem perceber a sua existência como um elo, nesta multidão, respeitar os outros, quem honrar, reparar na beleza e maravilhas dos montes, rios, serras ou vales, não terá uma passagem tão curta como tantas vezes se diz e julgará: esta vida é única mas sublime!(…)

Pag. 113, de "A PIANISTA DOS LOBOS"

Sem comentários:

Enviar um comentário