Google+ Followers

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

do Duarte Lima

Lima perdeu a liberdade. Está em preventiva no âmbito do caso BPN


*Duarte Lima: Como fazia a lavagem de dinheiro*

O ex-deputado foi investigado em 1994 num processo que é um verdadeiro

manual de branqueamento de dinheiro sujo

A prática de lavagem de dinheiro há muito que não é estranha a Duarte Lima.

Desde os anos 90 que o ex-líder parlamentar do PSD conhece, ao pormenor, as

técnicas daquilo a que os juristas chamam "dissimulação de capitais", mas

que é vulgarmente conhecido por branqueamento ou lavagem de dinheiro. Essa

é a arte de fazer com que o dinheiro obtido de forma ilegal regresse aos

circuitos financeiros e bancários com o estatuto de plena legalidade.

O processo às ordens do qual Duarte Lima está agora preso mostra algumas

dessas formas de lavagem, mas já na primeira investigação de que foi alvo,

nos anos noventa, é provado um apurado conhecimento dessa arte de esconder

o dinheiro sujo. Nesse primeiro processo em que Lima foi constituído

arguido, corria o ano de 1994 e o cavaquismo já agonizava, é descrito ao

pormenor aquilo que hoje se pode considerar um pioneiro manual de técnicas

de lavagem de dinheiro, como então alertava o inspector da PJ Carlos

Pascoal, que assina o relatório final da investigação.

O caso estava centrado em suspeitas de corrupção relacionadas com as

aquisições de apartamentos e de terrenos em Lisboa e Sintra (ver texto

nestas páginas). O mais interessante, porém, foi o que a investigação

mostrou em matéria de enriquecimento ilícito assente no tráfico de

influências e correspondente branqueamento de dinheiro, tudo crimes não

existentes no ordenamento jurídico português à época dos factos. Carlos

Pascoal, hoje com 57 anos e reformado da PJ, que investigou este processo

com o colega José Peneda e sob a direcção do magistrado do Ministério

Público Luís Bonina, enumerou as técnicas de lavagem uma a uma.

DEPÓSITOS EM DINHEIRO

O relatório de Pascoal é claro em matéria de fluxos financeiros: "Em razão

da análise bancária realizada pode concluir-se que foi detectada a

aplicação de várias técnicas de dissimulação de capitais, envolvendo um

conjunto de contas bancárias tituladas pelo arguido Duarte Lima, pela sua

ex-esposa, ou por familiares de um ou de outro".

Essas técnicas consistiam em fazer entrar o dinheiro nas contas sob a forma

de numerário, permitindo ocultar as proveniências e os motivos das

realizações de pagamentos. "Entre 1992 e 1994 foram creditadas dessa forma,

no conjunto das contas investigadas, verbas superiores a 750 mil contos"

(3,75 milhões de euros).

*CONTAS-FANTASMA*

As contas directa ou indirectamente controladas por Duarte Lima nunca

tinham saldos elevados. A técnica usada passava por fazer circular os

valores de conta para conta até à utilização final do dinheiro em despesas

ou aquisições. A maior parte dos créditos - numerário ou cheques - foi

escoada por contas tituladas pelo próprio Duarte Lima.

Os investigadores dão um exemplo: uma conta do Banco Fonsecas & Burnay

titulada por Fernando Henrique Nunes (ex-sogro de Lima) foi utilizada como

'placa de passagem' de valores que acabaram em contas de Duarte Lima. Só no

conjunto de contas em nome do ex-sogro e da ex-mulher, Alexina Bastos

Nunes, foram transferidos para contas de Lima 474 mil contos.

A partir de Novembro de 1993, o mesmo procedimento manteve-se mas com mais

titulares nas contas, designadamente duas sobrinhas do ex-deputado, Alda e

Sandra Lima de Deus e alguns dos irmãos.

*MOTA E ANF*

Duarte Lima, apesar de estar em exclusividade de funções no Parlamento e de

ter a inscrição suspensa na Ordem dos Advogados, mantinha uma intensa e

profícua relação com muitas empresas.

Na investigação são detectados dezenas de depósitos feitos pelos

administradores da então Mota e Companhia para as contas controladas por

Duarte Lima. A um ritmo mensal, Manuel António da Mota, fundador da empresa

já falecido, e o seu filho, António Mota, actual patrão da Mota-Engil,

pagaram perto de 150 mil contos a Duarte Lima entre 1991 e 1993.

Lima só em 1993 começou a emitir recibos verdes sobre uma pequena parte do

dinheiro recebido, justificando no processo apenas dois pagamentos a título

de prestações de serviços. Nessa fase em que começou a passar recibos

verdes também começou a receber dinheiro por antecipação a serviços a

prestar no futuro.

Nas declarações efectuadas aos investigadores, tanto António Mota como

Manuela Mota, também administradora da empresa, justificaram os pagamentos

de 1991, 1992 e parte de 1993 a título de aquisições de obras de arte

feitas a Lima e ao ex-sogro. Disseram também que Lima era consultor para a

área internacional, apontando concretamente Angola como um dos países em

que Lima ajudava a construtora. O ex-deputado, porém, tinha a inscrição

suspensa na Ordem dos Advogados e nunca declarou ao Fisco estes rendimentos.

Tanto em relação à Mota e Companhia, como à Associação Nacional de

Farmácias (ANF) - que pagou também milhares de contos a Lima e ainda as

obras feitas num dos seus apartamentos de Lisboa -, o ex-líder parlamentar

do PSD funcionou como um avençado no Parlamento.

De outras empresas, como a Altair Lda. e a Portline S.A., Duarte Lima

recebeu dinheiro a título de "despesas confidenciais" e "saídas de caixa".

*VÍCIO DAS ANTIGUIDADES*

Um dado essencial da ocultação de dinheiro detectada nesta investigação foi

o da aquisição de antiguidades e obras de arte. "Tudo aponta no sentido de

ser um coleccionador, visto que raramente procederá a vendas", escreve o

inspector Carlos Pascoal. São registadas nas perícias financeiras algumas

transacções. Só a três comerciantes de arte Lima comprou 250 mil contos em

antiguidades e peças num curto espaço de tempo.

Também aqui a lei era favorável a Duarte Lima: "As dificuldades de controlo

das actividades de transacções deste tipo de objectos e consequente

possível utilização como técnica de dissimulação de capitais são

reconhecidas no preâmbulo do decreto-lei 325-95 (branqueamento de

capitais), designadamente mencionando a não sujeição de tais actividades a

regras específicas e a inexistência de uma autoridade de supervisão",

alertam os investigadores. A criminalização do branqueamento e do tráfico

de influências só ocorrem depois de Outubro de 1995, quando o Governo já é

do PS e liderado por António Guterres. A bancada do PSD chefiada por Duarte

Lima várias vezes recusou criminalizar este tipo de crimes.

*PARAÍSOS FISCAIS*

A abertura de contas na Suíça e a utilização de paraísos fiscais para

branquear dinheiro são hoje expedientes vulgares. À época, porém, o seu

conhecimento em casos concretos era raro. Com um segredo bancário

inexpugnável, a Suíça era um paraíso para ocultar capitais. Duarte Lima

tinha contas no Swiss Bank Corporation, em Basileia, e daí transferiu

dinheiro para a Cosmatic Properties, Ltd., uma empresa offshore que

utilizou para várias aquisições.

As autoridades suíças, porém, nunca forneceram os elementos bancários

pretendidos pela investigação portuguesa porque Duarte Lima e a ex-mulher

se opuseram a que tal acontecesse, impedindo judicialmente que a carta

rogatória expedida pelas autoridades portuguesas fosse cumprida.

*TESTAS-DE-FERRO*

Os ganhos na bolsa foram a grande justificação de Duarte Lima para uma

parte do património. Declarou ter ganho 60 mil contos, mas foram detectados

investimentos feitos em seu nome mas formalmente pertencentes a outras

pessoas. Em dois dos casos detectados tratava-se de empresas de construção

civil: a Severo de Carvalho, a que Lima tinha grande ligação, e a Sociedade

de Construções Translande.

Foram descobertas contas co-tituladas por Lima e algumas dessas pessoas ou

empresas, mas tinham um movimento quase nulo. Pelo contrário, os

investimentos mais significativos na bolsa corriam exclusivamente por

contas do ex-deputado.

*UM ESTRANHO MILHÃO*

A diferença entre os valores declarados ao Fisco e o movimentado nas contas

é esmagadora e mostra um enriquecimento que Duarte Lima nunca conseguiu

explicar. Os rendimentos declarados em sede de IRS, que não incluíram os

movimentos de bolsa por não se encontrarem sujeitos a tributação,

totalizaram 182 mil contos, entre 1987 e 1995. Mas o dinheiro movimentado

nas contas tituladas por Lima apenas entre 1986 e 1994 é superior a um

milhão de contos.

Não há como registar as palavras dos próprios investigadores: "O total de

depósitos realizados nas contas tituladas pelo arguido Duarte Lima, entre

1986 e 1994, ultrapassou um milhão de contos, atingindo nos anos de 1992 a

1994 os 640 mil contos". Tudo claro, numa investigação que não teve escutas

telefónicas nem buscas a casa do arguido.

DE POBRE A BARÃO CAVAQUSITA (ASCENSÃO E QUEDA DE UM MENINO DE CORO

DESLUMBRADO COM O PODER)

É o primeiro registo oficial do deputado Domingos Duarte Lima na Assembleia

da República: III [1983-05-31 a 1985-11-03] - Círculo Eleitoral: Bragança -

Grupo Parlamentar: PSD. Em Maio de 1983, quando se estreia no seu lugar no

hemiciclo de S. Bento, Duarte Lima ainda não tinha completado os 28 anos.

Haveria de os celebrar seis meses mais tarde, em Novembro. Mas a sua vida

política não começa no Parlamento: dois anos antes, em 1981, inicia

actividade na capital como assessor político e de imprensa do ministro da

Administração Interna, Ângelo Correia.

Nunca mais haveria de parar no seu caminho para o poder e para a fortuna,

este rapaz nascido na Régua, em 1955, mas que viveu em Miranda do Douro até

1974. Foi primeiro deputado à Assembleia da República por Bragança de 1983

a 1995 - durante a III, IV, V e VI legislaturas. Depois promovido nas

estruturas do partido fundado por Francisco Sá Carneiro, entrou nas listas

por Lisboa, de 1999 a 2002, na VIII Legislatura. Voltaria novamente a

concorrer por Bragança, de 2005 a 2009, na X Legislatura.

A carreira meteórica de deputado coincidiu com uma ascensão política

fulminante. Foi o todo-poderoso vice--presidente da Comissão Política

Nacional do PSD entre 1989 e 1991, presidindo ao respectivo grupo

parlamentar, de 1991 a 1994, durante a segunda maioria absoluta de Cavaco

Silva. Com acesso a todos os gabinetes de ministros e secretários de

Estado, é um nome mágico para empresários e particulares sequiosos de

influência e proveitos. Vêm então os escândalos e cai em desgraça. Primeiro

um construtor civil de Mogadouro envia-lhe um fax para o Parlamento a pedir

um "jeito" num concurso de obras. Depois, o semanário 'O Independente'

conta a história da casa de Nafarros.

Sucede-lhe José Pacheco Pereira, que tinha sido seu 'vice', e Lima inicia

uma travessia do deserto. Perito em súbitas reviravoltas, porém, já em 1998

e com os socialistas no poder, vence Pedro Passos Coelho e Pacheco Pereira

nas eleições para a Comissão Política Distrital de Lisboa do PSD, que

dirigiu até 2000, deixando o lugar para aquela que seria a futura líder

social-democrata, Manuela Ferreira Leite. Lima terá gasto milhares de

contos em regularização de quotas e inscrição de novos militantes, grande

parte deles recrutados em bairros sociais.

*POBRE E PROVINCIANO*

Licenciado em Direito pela Universidade Católica, mas advogado mais de

título do que de exercício, Duarte Lima ocupou muitos outros cargos, sempre

numa vida faustosa, que foi justificando como podia, ou conseguia. Na lista

oficial que apresentou ao Parlamento consta a sua condição de "membro da

delegação portuguesa à Assembleia da NATO", mas também a ocupação de

"docente universitário". Refere-se ainda ter sido condecorado com a Ordem

do Mérito, atribuída pelo presidente da República de Itália.

Segundo reza a história da sua origem humilde, quinto filho numa família de

nove irmãos e órfão de pai aos 11 anos, ajudava a mãe, Maria de Jesus, a

vender peixe em Miranda do Douro. O pai, Adérito Lima, fora funcionário da

companhia eléctrica nacional até morrer de cancro.

Quando entrou para a Universidade Católica, com uma bolsa que o livrou de

pagar propinas, era olhado de lado e com indisfarçável estranheza pelos

colegas. Pobre e provinciano, não se vestia como os outros. A mais tarde

famosa jornalista Margarida Marante terá sido a única que lhe prestou

alguma atenção. Tornou-se sua amiga. Duarte Lima oferecia-lhe alheiras

feitas pela mãe. Margarida apresentava-lhe amigos, sobretudo na área do

PSD. Músico predestinado desde a infância, em 1980 era maestro do coro da

Católica. Pedro Santana Lopes e Pacheco Pereira assistiram a alguns dos

seus concertos de órgão.

Licenciou-se tarde, com 31 anos e 14 valores, como tarde tinha entrado na

universidade, depois de frequentar o Liceu D. Pedro V, onde terminou o

secundário com 19 valores. O estágio de advocacia foi feito no escritório

do socialista José Lamego, que seria mais tarde secretário de Estado dos

Negócios Estrangeiros de António Guterres e então era casado com Assunção

Esteves, presidente da Assembleia da República.

Em finais de 1998, depois de muitos dos escândalos conhecidos nos jornais,

foi atingido por uma leucemia em estado avançado, recebendo um transplante

de medula, amplamente noticiado. Já curado, funda a Associação Portuguesa

Contra a Leucemia, que iria criar o banco nacional de dadores de medula.

Muitos médicos e dirigentes da associação sublinham a importância da

exposição pública que Duarte Lima deu à doença e o papel que desempenhou.

*O CONVIDADO SÓCRATES*

Casou a 18 de Novembro de 1982 com Alexina Bastos Nunes, em Fátima, numa

cerimónia religiosa realizada pelo bispo de Bragança, D. António José

Rafael. Desta união iria resultar o único filho de Domingos Duarte Lima,

Pedro Miguel. Numa relação que viria a constar dos processos de

investigação da PJ, divorciou-se de Alexina em 1995, casando mais tarde, em

2000, com Paula Gonçalves. Desde que Duarte Lima se terá envolvido com a

brasileira Marlete Oliveira, a sua provisória secretária que entretanto já

regressou ao Brasil , o casal só partilhava o mesmo apartamento.

Com 56 anos, Duarte Lima - Domingos, para os amigos - é um homem rico e

poderoso. Na luxuosa casa da av. Visconde Valmor, no centro de Lisboa,

ofereceu jantares feitos pelo célebre chef Luís Suspiro. Constam das

memórias dos convidados as antiguidades dispostas nos salões e as

explicações excêntricas dos pratos que Suspiro vinha à sala apresentar.

José Sócrates foi um dos comensais mais famosos.

*O FILHO DE SEU PAI TORNOU-SE NUM TESTA-DE-FERRO*

Quando Domingos Duarte Lima anunciou que estava gravemente doente, com uma

leucemia, apareceram as primeiras imagens do filho, Pedro Lima, então com

apenas 13 anos, uma criança. Quando o ex-líder parlamentar do PSD foi

detido, o filho foi com ele, agora já com 26 anos, também arguido no mesmo

processo.

Pedro Lima é suspeito de branqueamento de capitais, burla qualificada e

fraude fiscal agravada, mas tudo indica estar de novo a dar a cara pelo

pai. Lima, o filho, foi libertado e diz-se que não tem dinheiro para pagar

a caução de 500 mil euros, ainda que seja sócio e administrador de cinco

empresas.

Há quem acrescente que Lima, o pai, fez dele testa-de-ferro dos seus

negócios. No dia do aniversário de Duarte Lima, Pedro lá estava como visita.

*"O SEU ENRIQUECIMENTO MOSTRA A DEGRADAÇÃO DO REGIME" (Paulo Morais,

professor universitário e dirigente da organização

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Nao! A democracia vai, vai, vai, a caminho da ditadura

Infiltração de agentes provocadores em manifestações instigando à violência para justificar a repressão (o próprio director nacional da PSP confirmou que "polícias à civil se integraram como manifestantes e provocadores em funções de defesa pública na manifestação"); divulgação de calúnias sobre vítimas de repressão, como fez o porta-voz da PSP anunciando falsamente que um cidadão espancado e detido na manifestação de 24 de Novembro era "procurado pela Interpol"; intenção do Governo - para já frustrada pela CNPD por inconstitucional, mas de que o ministro Miguel Macedo diz "não desistir" - de permitir à Polícia a videovigilância dos cidadãos e atribuir ao ministro poder absoluto na matéria sem qualquer fiscalização independente da sua conformidade à Constituição e às leis; afirmação do director do Observatório de Segurança de que a Polícia deve respeitar a lei "mas..."; defesa pelo presidente da comissão governamental para definição do serviço público de TV do controle da informação "a bem da Nação"; apreensão de propaganda política...


Já não são apenas as pituitárias daqueles que viveram a experiência do Estado policial salazarista, particularmente sensíveis a certos sinais. Hoje mesmo os que ingenuamente pensam que direitos, liberdades e garantias são direitos adquiridos têm motivos para se interrogar se a suspensão da Democracia preconizada por Manuela Ferreira Leite não estará já em curso.





sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

De The New York Times

Crise da dívida A viagem para a morte da zona euro

Durante as conversações com o FMI os países da zona euro comprometeram-se a fazer “tudo o que for necessário” para salvar a Eurolândia do descalabro. No entanto, escreve o editorialista e prémio Nobel da Economia Paul Krugman, até agora, parecem tudo fazer para condenarem a moeda única.

26 setembro 2011 The New York Times Nova Iorque

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Então Portugueses?

*RESPONSÁVEIS PELA CRISE ISLANDESA COMEÇAM A SER PRESOS*




Os directores de bancos islandeses que arrastaram o país para a bancarrota

em finais de 2009 foram presos por ordem das autoridades, sob a acusação de

conduta bancária criminosa e cumplicidade na bancarrota da Islândia.

Os dois arriscam-se a uma pena de pelo menos oito anos de cadeia, bem como à

confiscação de todos os bens a favor do Estado e ao pagamento de grandes

indemnizações.

A imprensa islandesa avança que estas são as primeiras de uma longa lista de

detenções de responsáveis pela ruína do país, na sequência do colapso

bancário e financeiro da Islândia.

Na lista de possíveis detenções nos próximos dias e semanas estão mais de

125 personalidades da antiga elite política, bancária e financeira, com

destaque para o ex-ministro da Banca, o ex-ministro das Finanças, dois

antigos primeiros-ministros e o ex-governador do banco central.

A hipótese de cadeia e confiscação de bens paira também sobre uma dezena de

antigos deputados, cerca de 40 gestores e administradores bancários, o

antigo director da Banca, os responsáveis pela direcção-geral de Crédito e

vários gestores de empresas que facilitaram a fuga de fortunas para o

estrangeiro nos dias que antecederam a declaração da bancarrota.

Em Outubro de 2008, o sistema bancário islandês, cujos activos representavam

o equivalente a dez vezes o Produto Interno Bruto do país, implodiu,

provocando a desvalorização acentuada da moeda e uma crise económica inédita







SE A ISLÂNDIA CONSEGUE, A TUNÍSIA CONSEGUE, O EGIPTO CONSEGUE, SERÁ QUE EM

PORTUGAL TEMOS DE CONTINUAR A PAGAR PARA O SISTEMA BANCÁRIO?



segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Do médico, Jorge Fernando Silva Sousa

 Ontem comprei a obra enquanto ouvia os elogios dos presentes na mesa. Quando, no perído do autor, se tornou evidente a coragem saida da fragilidade, a sabedoria nascendo da simplicidade e a palavra ganhar o sentido exato por força do trabalhoso raciocínio lógico, soube que Jose Santos nos daria um prazer enorme ao ler o seu romance. É o que vou fazer.

" A bela adormecida"

Os meus sonhos nunca desaparecem. Viva a Câmara Municipal de Arouca, com menções ao Presidente (Artur Neves) e vereadora (também) da cultura (Margarida Belém) e a sua Biblioteca. Salão completo para o lançamento do livro “O Tesouro do Mar de Mansores” Ontem, dia 30 de Novembro deste ano. Estou contente, pela forma como fui recebido… Olá gente de Arouca, meus amigos!


homens sérios e estas noticias - por M. A. Pina

As épocas de crise são propícias ao aparecimento de Berardos, sobretudo se acompanhadas de crise de audiência dos media. Obrigados a ter manchetes todos os dias, quando assuntos como o euro ou a dívida pública se banalizam, os media têm que recorrer ao "sound bite" ou ao insólito. Felizmente, para tal nicho de mercado, surgem sempre fornecedores avidamente disponíveis.


Assim a Lusa, esgotado o caso do Estripador e enquanto não chega a cimeira europeia, foi entrevistar mais uma vez Joe Berardo, de quem se espera sempre uma "boca" capaz de desenfadar leitores e telespectadores em carência.

"A última dessas "bocas" de que me recordo foi a de que Portugal precisa de "um novo género de ditadura". Desta vez é o apelo à resignação de Cavaco Silva. Uma das razões que, segundo Berardo, deveriam levar o PR a resignar seria o facto de que Cavaco se "relacionou com o BPN, ganhou dinheiro, e isso nunca foi bem explicado aos portugueses". Substitua-se BPN por CGD e "ganhou dinheiro" por "pediu dinheiro emprestado para apostar no BCP" e a mesma razão poderia ser invocada para Berardo resignar. Isto para já não falar da acusação a Cavaco de que "era tudo empréstimos e realmente pensava que não tínhamos que pagar esta dívida"...

Mas a mais grave acusação que Berardo faz a Cavaco é a de que é "uma pessoa culta". Só que também ela é reversível para o próprio Berardo, que é, como se sabe, uma eminência cultural."

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Mansores

Ousadia e retratos de Arouca, no livro «O Tesouro do Mar de Mansores»


Arouca, e, sobretudo, Mansores, são pano de fundo para as histórias ousadas que José Santos conta em «O Tesouro do Mar de Mansores». Um mar de nevoeiro, que desencadeia lendas e mistérios, que desperta a ousadia do romance a que o escritor se entrega, para contar histórias de prazer e liberdade. Com chancela da «Papiro Editora», o lançamento do livro «O Tesouro do Mar de Mansores», terá lugar no próximo dia 30 de Novembro, às 21:30, na Biblioteca Municipal de Arouca.







«Em Mansores, Arouca, existe um imponente vale verde com nascentes de água límpida. Quando o rio Arda transborda, o nevoeiro permanece no fundo do vale e forma-se um mar em Mansores, sobre o qual existem várias lendas. Passados seis anos, Amélia e Mário reencontram-se para finalmente viver o amor que tinham sido impedidos de viver no passado. Com o incentivo da família de Mário, este casal e outros jovens ousados e liberais vão revitalizar uma seita e um culto herdados dos seus antepassados, descobrindo o prazer e a liberdade que só existem no mar de Mansores».







«O Tesouro do Mar de Mansores» é uma história repleta de mistério e erotismo a que o leitor vai adorar abandonar-se.







José Pinho dos Santos nasceu em 1956 em Lobão, Santa Maria da Feira, Aveiro. Licenciado em Belas Artes, foi estudante/trabalhador, dirigente e funcionário político, professor de geometria e educação visual. Hoje, como sempre, dedica-se ao desenho técnico e artístico, à pintura e à escrita (poesia e prosa). «O Tesouro do Mar de Mansores» é o seu primeiro romance, fruto do fascínio do autor por Arouca, herdado dos seus familiares maternos.



quinta-feira, 17 de novembro de 2011

António Borges, próximo primeiro-ministro?





António Borges, PSD, antigo candidato à liderança do partido, demitiu-se, “por motivos pessoais” do cargo de director do FMI para a Europa. Na ausência de mais informações e, sabendo-se das fortes ambições políticas dele, dá para especular sobre o seguinte:






1 – Tem uma ligação próxima a Manuela Ferreira Leite e Cavaco; no tempo deste como PM foi vice-governador do Banco de Portugal;






2 – Cavaco esteve esta semana nos EUA onde Borges trabalhava. Nem sequer falaram pelo telefone?






3 – Têm sido evidentes as diferenças entre as posições de Cavaco e Passos sobre a intervenção do BCE e a emissão de obrigações (eurobonds);






4 – Cavaco sempre teve um olímpico desprezo por Passos, eleito no PSD com o apoio da ganga mais reles do partido – os autarcas – em regra, desprezados pelos aristocratas de Lisboa;






5 – Cavaco há meses (e referi isso no FB, na devida altura) estabeleceu despachos semanais com os ministros Gaspar, Álvaro e Portas, com o evidente propósito de reduzir o papel de Passos;






6 - Também Manuela, após um longo silêncio, teceu a sua consonância com o seu amigo Cavaco, nos últimos dias;














7 – Cavaco tem mantido um posicionamento mais crítico e mais interventivo com Passos do que com Sócrates;






8 – Os afastamentos recentes de Papandreu e Berlusconi evidenciam que a mudança de primeiro-ministro não exige eleições prévias;






9 – Esses afastamentos decretados em Berlim mostram também que os seus substitutos não precisam de ser provenientes dos aparelhos internos dos partidos;






10 - Em Itália e na Grécia os novos PM são tecnocratas, com vasto curriculum de malfeitorias ao serviço de instâncias ligadas ao capital financeiro;






11 – O brasonado Borges (barão ou semelhante de Alter do Chão) esteve no Goldman Sachs e no FMI com passagem pelo Banco de Portugal;






E se estivesse na forja a saída de Passos e a colocação de Borges para o seu lugar?






Isto é só especulação. Ou melhor é cá um “suponhamos que…)










sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Religião: os homens usam Deus para submeter as mulheres

Por milhares de anos a mulher viveu na sombra do homem, assistindo ao desenrolar da história humana, sem poder participar, sem ser consultada e respeitada. Foi usada como mercadoria, comprada, vendida, violentada, assassinada e subjugada segundo os interesses determinados pelos poderosos homens. Não houve, por parte dos homens, pudor ou piedade em cometer tantas atrocidades com um ser da sua espécie, sendo a mulher submetida às suas vontades a qualquer preço. Em muitos países, ainda hoje, uma vaca, um cavalo ou um camelo valem mais do que a vida de uma mulher. A crueldade e o descaso com o sofrimento das mulheres é revoltante, repugnante e não é somente a submissão imposta pelos homens às mulheres que é revoltante. É, principalmente, a rua sem saída que as religiões deixam à mulher, pois sem poder confiar num Deus benevolente, em quem pode confiar? Sem apoio do marido, do pai e sem poder contar com as leis, a mulher se entrega com toda a fé a um Deus. Ela busca na fé força para suportar as violências, os maus tratos, as humilhações que tanto a faz sofrer. Ela se entrega de corpo e alma a este Deus e pede compaixão. Confia na sua bondade e benevolência, seja ele muçulmano, protestante, católico, hindu, judaico, enfim, é sempre um Deus. E é justamente aí que a mulher encontrará a rua sem saída para a sua vida espiritual: em todas as religiões, as interpretações feitas das mensagens divinas, obedecem a padrões estritamente masculinos e voltados a interesses masculinos. Todas as principais religiões do mundo são patriarcais e a mulher é usada por esse “Deus” não para aliviar o seu sofrimento, mas para perpetuar a supremacia do homem sobre a mulher. Ela não encontrará o alivio que procura; encontrará somente o que os homens decidiram que deverá receber no campo espiritual. E no campo espiritual, as mulheres, em todas religiões, não possuem papéis de grande importância. Isto ocorre porque o homem se considera o mais forte não só fisicamente, mas também espiritualmente. A prova disso é que se conhecem poucas “Deusas”, e somente em religiões orientais, mas sempre abaixo dos poderes supremos de um Deus-Homem maior. “Deuses” encontramos em todas as religiões ocidentais, que têm como princípio servir o interesse de quem as criou: os homens. Não existe nenhuma religião de importância no mundo, fundada ou comandada por mulheres. O “Deus” em todas as religiões foi idealizado por homens, visualizado por eles que também são os merecedores de receberem as profecias ou mensagens do além. Os homens manipulam há milhares de anos o campo religioso, para obterem dinheiro fácil, prestigio sócia e poder. Religião é sinônimo de poder. E o poder de usar um Deus em proveito próprio, os homens manipulam com maestria. Mas paradoxalmente são as mulheres que mantém com sua fé todas as religiões do mundo. E é interessante observar como elas não são ouvidas e muito menos consideradas. São consideradas somente como crentes de um Deus, sem algum poder. Aos homens cabe o poder e a manipulação das religiões usando uma divindade como escudo ao abuso de poder. Na última década, se observa o radicalismo, o fanatismo e o fundamentalismo retornando a quase todas as religiões deste planeta. Qual seria o motivo deste retrocesso espiritual e filosófico? Bem, de base filosófica e espiritual não tem absolutamente nada que o justifique. O que causou este retrocesso foi simplesmente à saída da mulher para o trabalho, para a universidade, para as fábricas, para o comercio, enfim, para a vida. Segundo os olhos dos guardiões da fé humana de algumas religiões deste planeta, tanta liberdade era e é inadmissível. E com a necessidade de controlar os passos da mulher, eles as aprisionam novamente como a mil anos atrás. O retrocesso foi e está sendo total. Mas o mais trágico e cômico de todo este absurdo religioso é que é tudo feito sempre em nome de um DEUS!

De Tania Nienkotter Rocha - Livro: Sexo sem Nexo

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

é a vida...

está na hora de ver os democratas na rua!

O governo vende-pátrias do PSD/CDS-PP, com o beneplácito do PS, o tal "bom aluno" do directório europeu, do FMI e do imperialismo germânico, face aquilo que ele considera ser a letargia dos trabalhadores e do povo português, já não quer falar mais dessas panaceias. Para quê, questiona-se a burguesia portuguesa e seus representantes, insistir na redução da TSU (Taxa Social Única) que, mesmo a haver uma redução de 8%, seria sempre uma medida temporária e, ademais, não asseguraria, quer a "produtividade" e "competitividade" desejadas, quer a acumulação de riqueza capitalista tão desejada?




A Direita mexe-se e a esquerda portuguesa? É urgente a mobilização e organização da desobediência civil, com a exigência clara da expulsão do FMI de Portugal, pelo derrube deste governo serventuário da tróica e do imperialismo germânico: pela constituição de um Governo Democrático com gente decente e com provas dadas

O medo da Democracia ( M. A. Pina)


Bastou o primeiro-ministro grego anunciar que consultará o povo, através de referendo, sobre as novas e gravosas medidas de austeridade e perda total da soberania orçamental impostas ao país pelos "mercados" e seus comissários políticos em Bruxelas e nos governos de Berlim e Paris para cair a máscara democrática desta gente.


Na pátria da Democracia, o Governo decide-se por um processo democrático básico e Sarkozy fica "consternado" e considera a decisão "irracional" enquanto alemães e FMI se mostram "irritados" e "furiosos" com ela. E Merkel e Sarkozy assinam um comunicado conjunto dizendo-se "determinados" a fazer com que a Grécia cumpra as suas imposições e lhes ceda o que ainda lhe resta de soberania; só lhes faltou acrescentar "queiram os gregos ou não queiram" e mobilizar a Wehrmacht e a "Force de Frappe"...

Até Paulo Portas, ministro de uma coligação eleita com base em compromissos eleitorais imediatamente rasgados mal tomou posse, está "apreensivo".

O medo que esta gente, que tanto fala em Democracia, tem da Democracia é assustador. Aparentemente, o projecto de suspensão da Democracia por 6 meses (ou por 48 anos) estará já em curso. Pinochet aplicou no Chile as receitas de Milton Friedman suspendendo sangrentamente a Democracia. Como é que "boys" de Chicago como Gaspar ou Santos Pereira, que chegaram a ministros sem nunca antes terem governado sequer uma mercearia, o fariam em Democracia?



terça-feira, 1 de novembro de 2011

Lutemos por um Portugal mais justo.

Seja surdo quando as pessoas dizem que não podes realizar seus sonhos!



E não se esqueça: EU POSSO FAZER TODAS AS COISAS POSSÍVEIS, PARA MEU BEM E BEM DE MEUS AMIGOS!


De repente, há gente a quem escapou a ideia que






                            TODOS os impérios acabam!






O capitalismo está a moribundo, a Comissão Europeia vai na frente de tal caminho; os bancos e banqueiros estrangulam o estado. Esta ratoeira ficou traçado pela administração Bush e o regime capitalista cairá pelos erros próprios dos mandantes…


Há-de surgir um regime novo! Quem estiver interessado, ter ideias próprias ou de outros, de organizações, partidos políticos deve lutar.


Cá, em Portugal a direita, a colocar os trabalhadores e pequenos empresários a pedir, por ideias suas…


Os homens de esquerda, que tiveram o poder politico, quedam-se e/ou desaparecem, como o PS por exemplo. Rendidos não! Com ou sem partidos, é necessário um poder que proteja os mais pobres, um coisa linda. Com gente solidária, que lutou contra o capital, militantes de partidos de esquerda, Portugal seria um paraíso para todos…


quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Patrícia Kaas

Nós nascemos muito felizes.



Crescemos naquilo que pode ser a expressão mais alcançável da felicidade possível, mas aos poucos vamos trocando isso por outros valores, como sucesso profissional e sucesso financeiro...


Bem-aventurado é aquele que consegue acordar a tempo de perceber que melhor do que fazer horas extras no trabalho ou perder noites de sono em algum projecto ou pesquisa, é sempre reservar um tempo para preservar suas amizades, dedicando-se às pessoas que você ama, à sua família e amante.


A felicidade está connosco o tempo todo: nós, é que muitas vezes, a perdemos ou somos roubados…

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

instrumento do índios

sem comentários

O Cavaco na sua visita discreta aos Açores de 5 dias levou 30 acompanhantes, entre os quais:


- sua esposa;

- o chefe da casa civil e sua esposa;

- 4 assessores;

- 2 consultores;

- 1 médico pessoal;

- 1 enfermeira;

- 2 bagageiros?;

- 2 fotógrafos oficiais;

- 1 mordomo;

- 12 agentes de segurança.

e à chegada disse: "Ninguém está imune aos sacrifícios".



Opinião de M. A. Pina..

“No país que já era o mais desigual da Europa Ocidental, o que o Governo de Passos Coelho faz, com o OE para 2012, é um verdadeiro assalto fiscal às classes médias ("suicídio assistido" lhe chama o economista e professor do ISCTE Sandro Mendonça) e aos mais pobres, enquanto poupa aos sacrifícios "para todos" bens de luxo como jóias, casas sumptuosas ou carros de alta cilindrada; as próprias subvenções vitalícias aos políticos escapariam se alguns media, JN incluído, não tivessem denunciado ontem o caso…”

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Gatunos...

A presidente da Assembleia da República acaba de atribuir a Mota Amaral, na qualidade de ex-presidente do Parlamento, um gabinete, uma secretária, um BMW 320 e um motorista.


O despacho é assinado por Assunção Esteves, e remete para o articulado que regulamenta o funcionamento dos serviços da Assembleia da República, a Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República (LOFAR), publicada em anexo à Lei n.º 28/2003, de 30 de Julho, e do n.º 8, alínea a), do artigo 1.º da Resolução da Assembleia da República n.º 57/2004, de 6 de Agosto, alterada pela Resolução da Assembleia da República n.º 12/2007, de 20 de Março.

O facto está a ser divulgado na Internet, e está a ser apresentado como uma prova de que a Assembleia da República não aplica a si mesma os cortes que, na actual crise, o governo tem vindo a impor aos portugueses.

Os e-mails que já correm na Internet sobre este assunto apresentam como título "Poupar????? É só para alguns....."

Fascistas!

Dizer que Passos Coelho é inconsequente é mentira. Passos, é


muito consequente nos objectivos que a ultra direita traçou para o desmembrar do Estado social, da educação pública, e da educação para todos com as mesmas oportunidades de aprendizagem.

Que me desculpe o Bloco e o PCP, mas também culpados do se passa; Inconsequente, são tais partidos os partidos aliaram com esta direita para os levar de andor ao poder, ao rejeitar o PEC IV do governo Sócrates…





segunda-feira, 17 de outubro de 2011

É possível, é...

Durante o crash financeiro de 2008, foi destruída mais propriedade privada,



ganha com dificuldades, do que se todos nós aqui estivéssemos a destruí-la


dia e noite durante semanas. Dizem que somos sonhadores, mas os verdadeiros


sonhadores são aqueles que pensam que as coisas podem continuar


indefinidamente da mesma forma.






Não somos sonhadores. Somos o despertar de um sonho que está a


transformar-se num pesadelo. Não estamos a destruir coisa alguma. Estamos


apenas a testemunhar como o sistema está a autodestruir-se.






Todos conhecemos a cena clássica do desenho animado: o coiote chega à beira


do precipício, e continua a andar, ignorando o facto de que não há nada por


baixo dele. Somente quando olha para baixo e toma consciência de que não há


nada, cai. É isto o que estamos a fazer aqui.






Estamos a dizer aos gajos de Wall Street: “hey, olhem para baixo!”


sábado, 15 de outubro de 2011

Pois...

ALGUMAS BOCAS DO NOSSOS IMPOSTOS!

Portugal concentra actualmente 14 mil entidades públicas e parcerias público-privadas que se alimentam directamente do Orçamento Geral do Estado. Entre estas, contam-se 340 fundações de mão-pública, 379 institutos públicos, 537 empresas municipais e mil sociedades empresariais do Estado que não geram receita para pagamento da despesa. Esta é uma das conclusões de um estudo encomendado pela Comissão Europeia no âmbito do Ano Europeu do Combate à Pobreza e exclusão Social e que foi realizado pelo Centro de Estatística da Associação Nacional de Pequenas e Médias Empresas (ANPME) e pela Universidade Fernando Pessoa.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

O mundo é nosso; respeitando os outros...

VAMOS TRABALHAR JUNTOS


QUE AINDA PODERMOS;

O MUNDO FICARÁ MELHOR, QUANDO NÓS QUISERMOS.

O MUNDO É O QUE PERMITIMOS QUE ELE SEJA.

NÓS, QUEREMOS MUDAR O MUNDO:

OK, MUDEMOS EM PRIMEIRO LUGAR

A NÓS NO FUNDO.



quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Está certo, mulheres...

Por que as três mulheres que ganharam o Prêmio Nobel da Paz é uma boa chance pras feministas ficarem CALADAS



Mulheres ganharam 44 de 851 prêmios Nobel






Desde 1901, quando o prêmio foi criado, 15 mulheres receberam o Nobel da Paz e 12 o de Literatura






BBC Brasil
07/10/2011 09:11






Três mulheres dividiram o Nobel da Paz deste ano por suas lutas pela igualdade de direitos entre os gêneros, mas na história do prêmio, iniciada em 1901, apenas 44 dos 851 agraciados nas seis categorias até hoje são mulheres.


A física nuclear polonesa Marie Curie, radicada na França, foi a primeira mulher a receber um Nobel, em 1903. Ela foi também a única mulher até hoje a receber um segundo prêmio Nobel – o de Química, em 1911.


Com o Nobel da Paz concedido neste ano conjuntamente à presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, à ativista Leymah Gbowee, também liberiana, e à jornalista e ativista iemenita Tawakkul Karman, a categoria passou a ser a com o maior número de mulheres laureadas – 15.


O Nobel de Literatura é a segunda categoria com o maior número de mulheres premiadas, com 12. O prêmio de Economia, categoria criada somente em 1968, apenas uma vez foi dado a uma mulher, quando premiou a economista americana Elinor Ostrom, em 2009.


Nas demais categorias, duas mulheres receberam o Nobel de Física, quatro foram premiadas com o Nobel de Química e dez receberam o de Medicina.


Neste ano, das cinco categorias já anunciadas, apenas o Nobel da Paz foi agraciado a mulheres. O prêmio de Economia deverá ser anunciado na segunda-feira.










Assim, não!

O sistema democrático, que existente em todo o mundo ocidental, no século XXI, é isso: meia dúzia de quadrilhas com palermas, alcoviteiros e cobardes cujos assessores pensam por si, quantas vezes ideias alheias, pela incapacidade de defender as próprias, que serão fornecidas ao senhor ministro, que ministra isto…




exacto: com música francesa!

Portugal poder deixar de ser viável em pouco tempo!

Numa conferência recente, António Barreto alertou para o facto de Portugal poder deixar de ser viável num prazo variável (referiu grandezas entre 10 e 100 anos). Na verdade, Barreto glosou o que Adriano Moreira tem vindo a afirmar há anos: Portugal está a tornar-se, passo a passo, num Estado exíguo, num Estado que não reúne as condições suficientes para manter a existência de uma comunidade nacional com dignidade e autonomia. Partilho as preocupações de Barreto, embora me pareça que o horizonte temporal para se saber o que Portugal vai ser, não é coisa para se decidir em dez anos, mas, provavelmente, em menos de dez meses. E são dois, os futuros possíveis.


O melhor, e menos provável dos desfechos, seria um Portugal integrado numa sólida estrutura de Estados Unidos da Europa. Não só os Portugueses manteriam a sua comunidade e identidade, como cada um deles ganharia uma dupla cidadania europeia. Com uma partilha de soberania, mutuamente vigiada, entre o governo da União e o governo dos Estados, ganhando o primeiro fortes competências fiscais orçamentais e de governação económica. Com o aumento da competição política, líderes medíocres ou aberrantes seriam ocorrências mais raras. O restabelecimento do equilíbrio financeiro e económico seria longo e doloroso, mas seguro.

Infelizmente, o mais provável é que a União Europeia sucumba nos próximos meses. É preciso ter fé num Deus muito bom para crer que a maravilhosa dupla Sarkozy-Merkel, que não soube, até Julho, resolver o problema Grego, seja agora capaz de o solucionar quando a ele se juntam o contágio de Itália e Espanha, e a urgente necessidade de recapitulação da banca europeia. Neste cenário terrível, retomaremos plena soberania nacional. Só espero que o nosso PIB per capita seja, apesar de tudo, um pouco superior ao do tempo de Dom Afonso Henriques. (Portugal e o futuro - VIRIATO SOROMENHO-MARQUES no D. N.)

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Justiça para os pobres, apenas...

Noticia o "Público" que um total de 1489 arguidos escapou, em 2009, a julgamento beneficiando da espécie de "excepção de riqueza" que constitui, no sistema penal português, o regime das prescrições. ………………………………………………………………………………………………………………..


Há assim em Portugal duas justiças: uma para quem pode "comprar" a prescrição dos processos, outra para quem não pode. …A pergunta, no entanto, justifica-se: porque é que a apreciação de recursos e incidentes em geral não interrompe a contagem dos prazos de prescrição?



terça-feira, 11 de outubro de 2011

Terceira Guerra Mundial???

Um membro dos Serviços Federal de Segurança (FSB), diz que o plano do Primeiro Ministro Putin em reunir-se com o líder Chinês, Hu Jintao, em Beijing na próxima semana tende a advertir as forças militares, tanto Russas como Chinesas para estarem postas em sua máxima alerta antecipando-se a una grande invasão terrestre que já começou, mas, está sendo planeando pelos Estados Unidos da América, tanto no Médio Oriente como de Ásia Central...







Os planos para esta Guerra Mundial Total que os Estados Unidos se estão preparando a lançar….





VIVA O ESCUDO !!!

Francisco Louçã mostrou-se, esta 2ª feira, docemente maravilhados com o depoimento de Manuela Ferreira Leite de que não é fácil manter esta política de ajustamento orçamental (os tais para 5,9% como se responsabilizou o governo PSD/CDS-PP com a FMI e UE) e que essa política se vai destruir a si própria, tornando a dívida impagável. Louçã identifica esta avarenta, pouca afeita à “democracia” portuguesa como a sua recente adepta na sua batalha pela renegociação da dívida. Dos cinco partidos com assento parlamentar, apenas o PCP, admite discutir a questão da nossa moeda: o ESCUDO! Nem temos governo, nem oposição no actual parlamento, ou então, os seus dirigentes…

Posso amar em França. Em Paris ou em Toulouse.

Lider do Bloco até quando, Louçã?

O BE criou imensas expectativas numa parte do eleitorado de esquerda que não se revia num PS gestor do neo-liberalismo selvagem dominante. O novo partido parecia poder tornar-se, como o CDS em relação ao PSD, numa muleta governativa "ad hoc" do PS. Mas a direcção bloquista apostara tudo no PS de Ferro Rodrigues & Pedroso e, quando rebentou o escândalo Casa Pia, perdeu a cabeça. Pior, perdeu os valores, atirando-se contra tudo e contra todos: o PGR, o MP, a PJ, os media, as próprias crianças abusadas. Tinha a faca e o queijo na mão e cortou a mão. Pelo menos na parte que, como eleitor, me toca.




Não sei quanto tempo mais Louçã permanecerá à frente do BE. Mas parece que Carlos Cruz vai voltar à TV num novo canal por cabo. Talvez lhe arranje lá um lugar como comentador.
( extracto de uma opião de M. A. Pina, em 11.10.2011 no JN)



segunda-feira, 10 de outubro de 2011

15 de Outubro - 15 horas - Manifestação Global





Eu vou:


PROTESTO APARTIDÁRIO, LAICO E PACÍFICO


- Pela Democracia participativa.


- Pela transparência nas decisões políticas.


- Pelo fim da precariedade de vida.






Lisboa - Marquês de Pombal (19h - Assembleia Popular em frente ao Parlamento)


Porto - Praça da Batalha


Angra do Heroísmo - Praça Velha


Braga - Avenida Central


Coimbra - Praça da República


Évora - Praça do Sertório


Faro - Jardim Manuel Bivar










MANIFESTO:






Somos “gerações à rasca”, pessoas que trabalham, precárias, desempregadas ou em vias de despedimento, estudantes, migrantes e reformadas, insatisfeitas com as nossas condições de vida. Hoje vimos para a rua, na Europa e no Mundo, de forma não violenta, expressar a nossa indignação e protesto face


ao actual modelo de governação política, económica e social. Um modelo que não nos serve, que nos oprime e não nos representa.






A actual governação assenta numa falsa democracia em que as decisões estão restritas às salas fechadas dos parlamentos, gabinetes ministeriais e instâncias internacionais. Um sistema sem qualquer tipo de controlo cidadão, refém de um modelo económico-financeiro, sem preocupações sociais ou ambientais e que fomenta as desigualdades, a pobreza e a perda de direitos à escala global. Democracia não é isto!






Queremos uma Democracia participativa, onde as pessoas possam intervir activa e efectivamente nas decisões. Uma Democracia em que o exercício dos cargos públicos seja baseado na integridade e defesa do interesse e bem-estar comuns.






Queremos uma Democracia onde os mais ricos não sejam protegidos por regimes de excepção. Queremos um sistema fiscal progressivo e transparente, onde a riqueza seja justamente distribuída e a segurança social não seja descapitalizada; onde todas as pessoas contribuam de forma justa e imparcial e os direitos e deveres dos cidadãos estejam assegurados.






Queremos uma Democracia onde quem comete abuso de poder e crimes económicos e financeiros seja efectivamente responsabilizado por um sistema judicial independente, menos burocrático e sem dualidade de critérios. Uma Democracia onde políticas estruturantes não sejam adoptadas sem esclarecimento e participação activa das pessoas. Não tomamos a crise como inevitável. Exigimos saber de que forma chegámos a esta recessão, a quem devemos o quê e sob que condições.






As pessoas não são descartáveis, nem podem estar dependentes da especulação de mercados bolsistas e de interesses financeiros que as reduzem à condição de mercadorias. O princípio constitucional conquistado a 25 de Abril de 1974 e consagrado em todo o mundo democrático de que a economia se deve subordinar aos interesses gerais da sociedade é totalmente pervertido pela imposição de medidas, como as do programa da troika, que conduzem à perda de direitos laborais, ao desmantelamento da saúde, do ensino público e da cultura com argumentos economicistas.






Os recursos naturais como a água, bem como os sectores estratégicos, são bens públicos não privatizáveis. Uma Democracia abandona o seu futuro quando o trabalho, educação, saúde, habitação, cultura e bem-estar são tidos apenas como regalias de alguns ou privatizados sem que daí advenha qualquer benefício para as pessoas.






A qualidade de uma Democracia mede-se pela forma como trata as pessoas que a integram.






Isto não tem que ser assim! Em Portugal e no Mundo, dia 15 de Outubro dizemos basta!






A Democracia sai à rua. E nós saímos com ela.














sábado, 8 de outubro de 2011

a foda nunca pagará impostos!

Na Itália, estudantes e trabalhadores protestam contra os cortes

Os estudantes italianos realizaram nesta sexta-feira, dia 7, uma greve geral e manifestações em noventa cidades do país para protestar veemente contra os novos cortes incluídos no plano de ajuste do governo fascizante de Sílvio Berlusconi.




Os estudantes voltaram a sair às ruas para protestar depois das últimas manifestações em que terminaram em graves confrontos com as forças policiais, como as que foram vistas em Roma em Dezembro de 2010.



A sociedade vai dar um salto. Os virtuosos que pulem, saltai, pobres do mundo...

Em cada revolta, do Cairo a Nova York, o pedido por um governo responsável


que sirva o povo é claro e nossa comunidade global tem apoiado esse poder do

povo em todo o mundo, onde quer que tenha surgido. O tempo em que os

políticos ficavam nas mãos dos poucos corruptos está terminando e, em seu

lugar, estamos construindo democracias reais, de, por e para as pessoas.

Viva a dança !

será que, mesmo assim, este povo gostou... ao se calhar, adormeceu no sofá

A entrevista valeu o que valeu, nada, e seria curial e pedagógico que alguns


jornalistas dados ao "comentário" tivessem a coragem, não é coragem, é

assunção do seu dever profissional, de desmontar a vacuidade de um homem

que, como disse, há dias, Carlos do Carmo, tivemos a dolorosa infelicidade

de o ter como primeiro-ministro e, depois, como Presidente da República.



Haja Freud!

A desmembrada conversa mantida na TVI pelo Cavaco Silva com Judite Sousa resultou numa funesta meia hora de banalidades, apesar dos esforços da entrevistadora, do melhor que por aí há.


Já se sabe que o homem não possui ideias suas, e o que diz é o efeito de consultas apressadas a sebentas retrógradas, retomadas como se de novidades tratasse.





Confrange-me dizer que o Presidente da República Portuguesa não dispõe de porte intelectual nem de estilo e estirpe políticos que o recomendem ao nosso respeito. Respeito, aliás, é o que o Cavaco nunca manifestou por nós, tratando-nos como crianças mal informados. O princípio e o conceito repetiram-se. Ausente de qualquer "humildade democrática" (para citar uma frase favorita do Passos Coelho), o chefe de Estado trouxe para a sociedade portuguesa os trejeitos e os tiques de quem foi criado com autoritarismo e os tiques de quem não soube abandonar esses traumas com a chegada da maturidade.



sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Antes de 1974 havia movimento criados em Paris. “ORCP – (m-l)”com a UDP como “frente”, CMLP, com o PUP e FEC-ml. Em 74/75 a “ORCP – m-l” e o “CM-LP” constituem o PCP(R). Como a “ORCP – m-l” tinha um deputado eleito (Américo Duarte) ficou a UDP como “frente” do PCP (R) e mais tarde os elementos da “FECm-l” entram para o PCP (R) e UDP.

os pobres paguem a crise que o ricos fizeram

Tantas vezes escrevi: “OS RICOS QUE PAGUEM A CRISE!” Hoje – 36 e 37 anos depois - são outros e com razão. Ao que chegamos… vejo muita gente a pedir; outros, tentando manter a mesma compostura anterior, não; mas que há fome em todas as terras deste país, que era fácil ser um paraíso, há.  

A Narureza é bela. Toda a natureza...

Honra ao Tomas Transtromer!

O escritor sueco Tomas Tranströmer, 80 anos de idade, é o vencedor do prémio Nobel de Literatura de 2011.




A Academia premiou Tranströmer "porque, através de suas imagens translúcidas, ele nos dá um acesso novo à realidade".



“A maior parte da obra poética de Tranströmer está caracterizada pela economia, de concreção e de metáforas expressivas”, diz a academia. Em suas últimas obras, Tranströmer “tende a um formato ainda mais reduzido e a um grau ainda maior de concentração”.



É hora de ler: Tomas Tamstromer!

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

BPN, não... e Duarte Lima, não, e os outos...

Mais um da "Pandilha".Parecem cogumelos. Estão por todo o lado. BPN? Não conheço, o que é ?!


ISTO DAVA UM FILMA revista “Sábado” que ontem chegou às bancas dedica oito páginas a Duarte Lima, desde o tempo em que, órfão de pai aos 11 anos, ajudava a mãe a vender peixe em Miranda do Douro. À beira de completar 56 anos (Novembro), Duarte Lima tornou-se um homem imensamente rico. A investigação de António José Vilela e Maria Henrique Espada está recheada de detalhes picantes. Na sua casa da Av. Visconde de Valmor, em Lisboa, Duarte Lima dava jantares “impressionantes”, confeccionados “in situ” por Luís Suspiro; no fim do ágape, o “chef” vinha à sala explicar aos convidados - entre outros, Manuel Maria Carrilho, Ricardo Salgado, João Rendeiro, Horácio Roque, Adriano Moreira e José Sócrates - a génese das suas criações - Ângelo Correia, que o lançou na política em 1981, nunca foi convidado para esses jantares. O andar da Visconde de Valmor foi decorado por Graça Viterbo: a decoradora cobrou 705 mil euros. Quando entrou para a Universidade Católica, graças a uma bolsa que o isentou das propinas, foi ignorado pelos colegas: era pobre, vestia-se mal e vinha da província. Só Margarida Marante se aproximou dele. Duarte Lima oferecia-lhe alheiras confeccionadas pela mãe. Em 1980 já era maestro do coro da Católica. Pacheco Pereira e Santana Lopes assistiam embevecidos aos seus concertos de órgão. O estágio de advocacia foi feito no escritório do socialista José Lamego, então casado com Assunção Esteves, actual “presidenta” da AR. O primeiro casamento (1982) foi celebrado pelo bispo de Bragança. Em 1983 chegou a deputado e, em 1991, a líder parlamentar e vice-presidente do PSD. Nos anos

1980-90 era das poucas pessoas a quem Cavaco atendia o telefone a qualquer hora. Até que, em 1994, o “Indy”, então dirigido por Paulo Portas, obrigou o

Ministério Público a investigar as suas contas. Demitiu-se de cargos políticos e aguardou a conclusão do processo. Com o assunto arrumado, candidatou-se em 1998 à Distrital de Lisboa do PSD. Ganhou, derrotando Passos Coelho e Pacheco Pereira. A leucemia afastou-o do cargo. Volta ao Parlamento por dois mandatos: 1999-2002 e 2005-2009. Segundo a revista, Duarte Lima depositou nas suas contas, entre 1986 e 1994, mais de cinco milhões de euros, parte considerável (25%) em “cash”. É membro da Comissão

de Ética do Instituto de Oncologia de Lisboa e fundou a Associação Portuguesa Contra a Leucemia. Agora é o principal suspeito do assassinato de Rosalina Ribeiro.



Nada disto me impressiona, excepto o facto de Duarte Lima ter obtido do BPN, em 2008, pouco antes da nacionalização do banco, um empréstimo de 6,6 milhões de euros, “contraído sem a apresentação de qualquer garantia”. O “affaire” Duarte Lima é um caso de polícia. Mas o “affaire” BPN, sendo também um caso de polícia, é sobretudo um assunto de Estado. E nenhum jornal ou revista investiu ainda o bastante para o dilucidar.



PS - Só falta acrescentar que os vizinhos em Bragança ouviam os gritos da mulher do energúmeno quando ele a espancava!

ASSIM SE FAZ UM CONCERTO!

"quem tem um mãe tem tudo"

“A minha é, mos instantes complicados, o único livro de amor usado!” José Santos







A minha querida mãe, andava contente, com a festa dos seus 76 anos de idade. Ontem, dia CINCO DE OUTUBRO,  fizemos - eu e a minha irmã - a festa que ELA merece!

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Pelo menos...

Assim vai Portugal...............................!

Portugal definha e a prova da decadência não está apenas na estagnação económica e empobrecimento registado na última década. Está também na demografia. Nas últimas 24 horas morreram 180 portugueses e nasceram 175. O envelhecimento da população acompanha uma baixíssima taxa de natalidade: 1,37 filhos por mulher. Uma das mais baixas taxas de natalidade do Mundo.






Assim, não há Estado social que aguente. O envelhecimento da população põe em causa não apenas as prestações sociais e as reformas mas também o emprego. Com taxa de desemprego juvenil próxima dos 20%, são cada vez mais os licenciados que não encontram trabalho. E nem a emigração - ao nível da década de 60 do século passado - consegue ser a válvula de escape das frustrações dos jovens adultos. Hoje deixaram o país 39 portugueses

sábado, 1 de outubro de 2011

A fome de homens, para outros ficarem muito contentes

“Tenho uma confissão a fazer: eu sou uma arma de destruição maciça. Porquê? Porque na faculdade me ensinaram a fazer dinheiro com a miséria dos outros.”



Por Alessio Rastani;


não dizem, mas pensam todos os banqueiros e seus com amigos que nos governam…


Vamos dançar. A menina dança?...

...FAJARDOS...

CONTINUANDO A SAQUEAR… Começa hoje o aumento da Luz e Gás !








Esta medida anunciada em tempos, vai partir de hoje ser concretizada…da taxa no IVA a 6 por cento passa brutalmente para os 23 por cento, impondo assim um aumento da carga de encargos monetários obscenos, sobre quem é explorado e oprimido.








sexta-feira, 30 de setembro de 2011

....farjados...

A Europa ocidental e a América do Norte estão no estado em que estão porque os Estados se deixaram capturar pela banca.




A Europa Ocidental e a América do Norte estão no estado em que estão porque os Estados se deixaram capturar pela banca. Também em Portugal, como se vê, o maior problema não é o cidadão anónimo mas os pequenos poderes e os grandes grupos de pressão.






A banca em Portugal, tal como em boa parte dos países europeus e nos Estados Unidos, impôs as regras do jogo em cumplicidades variadas com os governos. O tipo de resistência que está a fazer às regras impostas pelos financiadores internacionais revela bem que a banca portuguesa está habituada a fazer as coisas à sua maneira. Claro que, na pureza das regras de funcionamento do mercado, os bancos estão a fazer aquilo que devem na defesa dos seus accionistas e na lógica da orientação para os resultados a curto prazo, a grande marca do capitalismo financeiro.





outro gatuno...

Mais um mandarim inútil com boa paga






Novas Oportunidades: De politólogo de Setúbal a tradutor do Inatel





Quando se pretende uma tradução profissional contrata-se um tradutor.



Mas no mundo das instituições públicas a lógica não é a mesma.



Um exemplo. Pedro Ruas, que diz ter a profissão de politólogo (licenciado em

Ciência Política), é também presidente da Junta de Freguesia de Azinheira

dos Barros e São Mamede do Sádão (Grândola) e presidente da Juventude

Socialista de Setúbal.



Foi chefe de gabinete da anterior Governadora Civil de Setúbal, Euridice

Pereira.



Integrou também a lista do PS à Assembleia da República pelo distrito de

Setúbal nas últimas eleições.



Era então Vieira da Silva cabeça de lista. Como não foi eleito, lá teve de

se concentrar nos afazeres da junta e arranjar um part-time.

Apesar de ser politólogo, Pedro Ruas conseguiu que o Inatel lhe adjudicasse

um serviço de seis meses de serviços de tradução no valor de 5.850 euros.



Há um pormenor essencial em todo esta história.* Vítor Ramalho é presidente

do Inatel e presidente do PS de Setúbal*.

arrevita, pá. Pára: Vê, ouve e lê... és roubado rodos os dias por este governo!

Quando tu perceberes que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceberes que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos pela maioria deste povo; quando perceberes que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto-sacrifício; então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada. Com esta maioria, este governo e este presidente, a antiga A.D., já passamos a linha do abismo económico e há lares sem pão …

ainda não paga impostos

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

para comemorar os 100 dias de Nuno Crato, a ministro...

Cerca de 20 professores contratados que ficaram sem colocação estão no Ministério da Educação desde as 11h desta manhã e exigem ser recebidos pelo ministro Nuno Crato, avançou um canal de televisão. Estes professores ficaram excluídos da bolsa de recrutamento.




Já aqui denunciamos os concursos considerados fraudulentos pelos professores contratados. Os resultados saíram no passado dia 19 e geraram uma onda enorme de indignação. Muitos professores queixam-se que foram ultrapassados por colegas com menos anos de carreira, uma situação que levou a que este grupo de docentes se tenha concentrado no Palácio das Laranjeiras, em Lisboa, à espera de uma reunião com o ministro da Educação ou com o secretário de Estado do Ensino e Administração Escolar.



“Fomos ultrapassados por professores até 500 lugares abaixo” e “o Ministério da Educação vive numa república das bananas”, são algumas críticas ouvidas esta manhã no átrio das Laranjeiras, onde se situa o gabinete do ministro.

Assim, por exemplo...

Apenas a forma,... ainda era negro!

aproveitar para dançar... e depois vemos o que a parceira necessita.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

sem comentários

100 dia de desgoverno...

Esta espécie de governo em 100 dias, colocou-nos ainda mais pobres e sem futuro; segundo uma sondagem, escutada na TSF, contínua a ter o apoio de mais de metade dos portugueses. Pensar e dizer alto e bom som: Não Pagamos! FMI Fora de Portugal! Por um Governo Democrático Patriótico! É justo e de pessoas honestas…Mas o povo desta terra, o povo português gosta de ser roubado por gente do seu partido e dizem:”a culpa é do Sócrates, estão a resolver o problema… desisto, intervalo! Vou pensar…




terça-feira, 27 de setembro de 2011

para aquecer, esquecer e pelo menos ver; novo fulgor, mais logo

outra vez os germanos...

Portugal, um "Land"?


(Land será um país ao colónia da Alemanha, Germany e/ou deutschland

É difícil evitar a tentação de ver nas declarações de Merkel a pretexto da crise das dívidas soberanas sinais que evocam os fantasmas inquietantes do expansionismo alemão. Apoiada numa imprensa que todos os dias instila na opinião pública ideias perigosamente próximas do racismo acerca dos povos "preguiçosos" e "incapazes" do Sul (ainda não se chegou a "povos inferiores" mas já faltou mais), a actual política europeia alemã rompeu com os princípios de solidariedade e subsidiariedade consagrados no Tratado de Maastricht para fazer da UE e do euro meros instrumentos da edificação de um 'Lebensraum' dos seus próprios interesses.

Depois da sugestão de um comissário alemão para pôr a meia haste as bandeiras dos "países pecadores" (países com défices elevados; e, no entanto, segundo o 'Handelsblatt', a dívida oculta da Alemanha é actualmente de 5, e não 2, biliões de euros, ou seja, 185% do PIB em vez do 83% oficiais; como termo de comparação, a grega será, em 2012, de 186% do PIB...), Merkel pretende agora que as dívidas desses países sejam pagas com perdas de soberania, algo assim como conseguir com taxas de juro o que não se conseguiu com 'panzers'.

Isto quando governos como o português já são hoje meros mandatários dos 'Diktat' de Merkel. Ao menos vendendo o que resta da nossa soberania à Alemanha e tornando-nos mais um 'Land' votaríamos em quem realmente manda em nós e não nos seus feitores locais.

Crónico de Manuel António Pina no J. de N.