Google+ Followers

quarta-feira, 7 de março de 2012

opinião de M. A. Pina - O Ministério dos Feriados

O superMinistério da Economia e do Emprego do ministro Álvaro tornou-se, em pouco mais de oito meses de Governo, uma espécie de pedreira onde escavam todos os outros ministérios e, sobretudo, os lóbis e grupos de interesses que tradicionalmente parasitam o Estado.




Foi-se, primeiro, a diplomacia económica; depois, um a um, foram-se a concertação social, as privatizações, as Parcerias Público-Privadas, o emprego jovem, os incentivos à criação de postos de trabalho...



Faltava a gestão dos milhões dos fundos comunitários, os únicos milhões que, nesta altura, ainda "entram", ou podem entrar, na economia. E, aí, chegou a vez de o Ministério das Finanças querer ir também ao bolo.



Era demasiado. O luzido superministério de Álvaro Santos Pereira estava a transformar-se num anémico miniministério honorário. E, no Conselho de Ministros da passada quinta-feira, ele terá posto os pés à parede: "Os milhões do QREN daqui não saem, daqui ninguém os tira!".



Não lhe valeu de nada. Passos Coelho calou-o deixando-o ficar com a coordenação do QREN, mas entregando a Gaspar a "palavra decisiva" sobre a reafectação dos fundos. Isto é, Gaspar decidirá, Álvaro executará.



Álvaro teve que resignar-se. Mais vale ser ministro por mais alguns meses que "bloguer" toda a vida. E, pensando bem, com cada vez menos Economia e menos Emprego para gerir, mais tempo terá para se dedicar aos dossiês dos feriados e dos pastéis de nata.



Sem comentários:

Enviar um comentário