Google+ Followers

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

15 de Outubro - 15 horas - Manifestação Global





Eu vou:


PROTESTO APARTIDÁRIO, LAICO E PACÍFICO


- Pela Democracia participativa.


- Pela transparência nas decisões políticas.


- Pelo fim da precariedade de vida.






Lisboa - Marquês de Pombal (19h - Assembleia Popular em frente ao Parlamento)


Porto - Praça da Batalha


Angra do Heroísmo - Praça Velha


Braga - Avenida Central


Coimbra - Praça da República


Évora - Praça do Sertório


Faro - Jardim Manuel Bivar










MANIFESTO:






Somos “gerações à rasca”, pessoas que trabalham, precárias, desempregadas ou em vias de despedimento, estudantes, migrantes e reformadas, insatisfeitas com as nossas condições de vida. Hoje vimos para a rua, na Europa e no Mundo, de forma não violenta, expressar a nossa indignação e protesto face


ao actual modelo de governação política, económica e social. Um modelo que não nos serve, que nos oprime e não nos representa.






A actual governação assenta numa falsa democracia em que as decisões estão restritas às salas fechadas dos parlamentos, gabinetes ministeriais e instâncias internacionais. Um sistema sem qualquer tipo de controlo cidadão, refém de um modelo económico-financeiro, sem preocupações sociais ou ambientais e que fomenta as desigualdades, a pobreza e a perda de direitos à escala global. Democracia não é isto!






Queremos uma Democracia participativa, onde as pessoas possam intervir activa e efectivamente nas decisões. Uma Democracia em que o exercício dos cargos públicos seja baseado na integridade e defesa do interesse e bem-estar comuns.






Queremos uma Democracia onde os mais ricos não sejam protegidos por regimes de excepção. Queremos um sistema fiscal progressivo e transparente, onde a riqueza seja justamente distribuída e a segurança social não seja descapitalizada; onde todas as pessoas contribuam de forma justa e imparcial e os direitos e deveres dos cidadãos estejam assegurados.






Queremos uma Democracia onde quem comete abuso de poder e crimes económicos e financeiros seja efectivamente responsabilizado por um sistema judicial independente, menos burocrático e sem dualidade de critérios. Uma Democracia onde políticas estruturantes não sejam adoptadas sem esclarecimento e participação activa das pessoas. Não tomamos a crise como inevitável. Exigimos saber de que forma chegámos a esta recessão, a quem devemos o quê e sob que condições.






As pessoas não são descartáveis, nem podem estar dependentes da especulação de mercados bolsistas e de interesses financeiros que as reduzem à condição de mercadorias. O princípio constitucional conquistado a 25 de Abril de 1974 e consagrado em todo o mundo democrático de que a economia se deve subordinar aos interesses gerais da sociedade é totalmente pervertido pela imposição de medidas, como as do programa da troika, que conduzem à perda de direitos laborais, ao desmantelamento da saúde, do ensino público e da cultura com argumentos economicistas.






Os recursos naturais como a água, bem como os sectores estratégicos, são bens públicos não privatizáveis. Uma Democracia abandona o seu futuro quando o trabalho, educação, saúde, habitação, cultura e bem-estar são tidos apenas como regalias de alguns ou privatizados sem que daí advenha qualquer benefício para as pessoas.






A qualidade de uma Democracia mede-se pela forma como trata as pessoas que a integram.






Isto não tem que ser assim! Em Portugal e no Mundo, dia 15 de Outubro dizemos basta!






A Democracia sai à rua. E nós saímos com ela.














Sem comentários:

Enviar um comentário