Google+ Followers

terça-feira, 3 de junho de 2014

O hábito!




(...)
Nem Helena nem Maria foram seus modelos. Era a experiência adquirida que consumia o pintor, ao pensar dessa forma estranha. Através de um sinal marcado no ombro ou um fugaz traço nas costas, descobrem que as irmãs, tal, como Leonor, deixaram os soutiens em casa; o macio no traseiro de Joana, o espaço entre as pernas e a marca da cintura faziam lembrar que, não usavam calcinhas, aliás, como hábito. Igualmente vestidas, uma penteou a outra tentando destacar, ou disfarçar, as diferenças, hierarquias, em idade: Maria de Fátima, uma mulher; Joana, uma garota.
(...)

Sem comentários:

Enviar um comentário